Brasil

  Rio Grande do Sul

 Menu

 Página inicial
 Quem sou
 Trabalhos
 Artigos
 Notícias
 Assuntos 
da semana
 Livros 
 Cartas e Respostas
 Charges

 Contato para pales-
tras e assessorias

 Links 
Recomendados 
Outros
 E-mail
 Enquetes anteriores


CARTA À NAMORADA DE UM TRAFICANTE 

Alberto Afonso Landa Camargo 

“Daria a vida pra tirar ele deste círculo vicioso, gostei do seu site, mas ao ler algumas coisas senti vontade de chorar, deve ser meu sexto sentido avisando q algo ruim vai acontecer pois a vida bandida é sem futuro, só tem dois lados: cadeia ou cemitério, todo dia penso qual vai chegar primeiro pra ele, confesso q já houve vezes q desejei q chegasse logo... a cadeia.” 

O trecho acima foi escrito por uma garota no “livro de visitas” de uma página da internete que trata de assuntos policiais. É muito mais que um desabafo, é um pedido de ajuda, quase um apelo diante da impotência para retirar do crime a pessoa que ama. Impotente, também, está o autor da página e destas linhas, que não tem como auxiliar quem se sente assim traída pela sorte.

Imagino quantos jovens se jogam ao tráfico e, na esteira dos seus delitos, acabam levando consigo - não necessariamente para o crime - uma imensa quantidade de pessoas que acabam sofrendo muito mais por se verem sem forças para conter o mal e trazê-los de volta à paz. São mães, pais, esposas, namoradas, filhos, que são envolvidos direta ou indiretamente em tudo o que circunda o tráfico, preocupações permanentes que acabam ditando a vida e o procedimento de todos. É, infelizmente, um caminho que um país de tantas diferenças sociais impõe à sua gente que, sem educação, emprego e salário dignos, obriga-se ao crime na esperança de um dia sair dele quando crescer economicamente. Quando se dá conta de que o caminho é sem volta, já é tarde demais e só resta a quem nutre amor pelo criminoso a esperança de que dentre desgraças possíveis, ocorra a menos traumática. E enquanto governos são eternizados pela crença popular de que um dia cumprirão suas promessas em meio à corrupção que tira recursos que serviriam para educar e empregar seu povo, pessoas como a que fez o desabafo continuam a conviver com a desesperança e, diante do mal inevitável, rezando pelo menor.

Pois esta moça que já está conformada com um destino menos trágico para o seu namorado é uma história dentre tantos outros dramas que habitam o país e estão condenados ao esquecimento de autoridades que paradoxalmente se arvoram à condição de governantes ímpares que suprimiram a miséria do país. Mas que supressão da miséria é esta que se sustenta numa cesta básica de esmola enquanto os dramas cotidianos nos dão a conhecer vidas de desesperada conformação com a desesperança como a relatada pela namora de um traficante?

Apesar de tudo, fica esta demonstração de amor que ela nos dá. Quem sabe se outros tendo a mesma sensibilidade, possam contribuir para que, sem morte e sem cadeia, a história venha a ter um final feliz...

Leia mais:   artigos   -   trabalhos   -   notícias/pesquisas

 

 

adicione o Polícia e Segurança aos favoritos.

Clique aqui para assinar o Livro de visitas
Clique aqui para ler o Livro de visitas.
As idéias e opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores.
 

Web designer: Otálio Afonso