Brasil

  Rio Grande do Sul

 Menu

 Página inicial
 Quem sou
 Trabalhos
 Artigos
 Notícias
 Assuntos 
da semana
 Livros 
 Cartas e Respostas
 Charges

 Contato para pales-
tras e assessorias

 Links 
Recomendados 
Outros
 E-mail
 Enquetes anteriores


CRIMES E CAUSAS 

Alberto Afonso Landa Camargo 

O argumento anterior a justificar as barreiras policiais era porque o “crime anda sobre rodas”, dado a presunção de que a maioria dos criminosos usa automóveis para seus delitos. O novo argumento a justificá-las agora gira em torno da hipótese de que o consumo de bebidas alcoólicas induz ao crime. Como as barreiras continuam a se prestar ao ataque aos automóveis e os estabelecimentos que comercializam álcool sofrem o aumento da fiscalização, é de se presumir que o crime que “anda sobre rodas”, antes, passa por restaurantes, bares e botecos. Uma crença Indiscutível, dada a declaração governamental de que “a população percebeu que tem segurança, graças à técnica de barreiras policiais georreferenciadas”.

Apesar da pompa da citação, esclareça-se que barreiras definidas conforme o desenvolvimento estatístico de crimes nunca foram uma “técnica”, mas uma medida meramente paliativa que indica que a prevenção está falhando. Já foi dito por experts que “ações de grande aparato e força aplicadas em função do aumento criminal são indicativos de que a polícia falhou na sua missão primordial de prevenir”. Estas ações sempre foram feitas com a finalidade de atacar pontualmente determinado problema. O resultado disto é apenas a migração do crime, que deixa de ocorrer no ponto reforçado para deslocar-se a outro, ficando as estatísticas criminais inalteradas. Enquanto uma comunidade elogia a medida, outra acaba sofrendo suas conseqüências. E ainda temos que ouvir eufóricas manifestações tentando induzir-nos à conclusão de que há uma “nova técnica” policial de indubitável sucesso. Nada mais indicativo do candidato que ainda transita por palanques eleitorais e alardeia soluções milagrosas, que, confrontadas com a realidade, não trazem resultados práticos, eis que segurança é algo concreto e não uma construção metafórica que só persiste na idéia de uma falsa sensação de segurança.

E enquanto o crime mascara-se de rodas de automóveis fingindo alimentar-se em bares e restaurantes, ele, na verdade, sutilmente se alimenta e desenvolve de equivocadas políticas sociais e da corrupção nos bastidores do poder, aumentando as desigualdades. A polícia, por vez fazendo o que pode, até inventando eufemismos sobre comportamento criminal, contrasta com outros setores que o alimentam e agem como se não tivessem responsabilidades e tudo dependesse só da segurança pública.

Leia mais:   Artigos   -   Trabalhos   -   Notícias/pesquisas

 

 

adicione o Polícia e Segurança aos favoritos.

Clique aqui para assinar o Livro de visitas
Clique aqui para ler o Livro de visitas.
As idéias e opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores.
 

Web designer: Otálio Afonso